Roubo em condomínios

Roubo em condomínios

O Sindifícios tem intensificado sua atuação junto a categoria no que diz respeito a segurança em condomínio. Nas visitas realizadas pelos assessores do Sindicato aos condomínios e nos cursos de qualificação profissional ministrados na entidade, o tema segurança tem destaque especial.Com o aumento de edifícios que contratam mão de obra terceirizada e, consequentemente, o aumento no número de assaltos nos mesmo locais, a formação e informação do trabalhador contratado diretamente pelo condomínio faz muita diferença, razão pelo qual muitos prédios terceirizam a mão de obra, arrependem-se, e retomam o método tradicional.

“A rotatividade de funcionários causada pela terceirização e a falta de vínculo com o local de trabalho prejudicam a segurança”, comenta o presidente do Sindifícios, Paulo Ferrari. Se a informação do trabalhador ajuda a manter o local seguro, é também a informação que o bandido possui do local que o deixa vulnerável. A maioria dos locais que sofreu algum tipo de invasão deixou vazar informações aos ladrões. “Normalmente os bandidos já chegam no prédio sabendo alguns dados da rotina dos moradores, o que possuem no apartamento, nome do condômino, placa dos carros, enfim, os piores arrastões foram feitos por pessoas informadas sobre o condomínio”, explica Paulinho.

O local preferido para a entrada dos bandidos é a garagem. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, em quase 65% dos edifícios assaltados em 2010, o acesso foi feito pela garagem; as maneiras de entrar variam: pode ser aproveitando o fechamento do portão; com carro ou controle remoto clonado do portão; dentro do carro com moradores de reféns, enfim, muita criatividade para péssima finalidade.