Reportagem do Jornal Agora comprova: o melhor para as portarias é ter funcionários próprios

Reportagem do Jornal Agora comprova: o melhor para as portarias é ter funcionários próprios

Ro­ta­ti­vi­da­de de por­tei­ros é pre­ju­di­ci­al ao con­do­mí­nio

Fun­ci­o­ná­rio co­nhe­ce a ro­ti­na do pré­dio e dos mo­ra­do­res. De­ve ser sem­pre mo­ti­va­do e re­ce­ber trei­na­men­to

O sín­di­co Clau­dio Lo­pes Al­va­za­ni, 30 anos, no pré­dio que ad­mi­nis­tra, na Mo­o­ca (zo­na les­te)

O sín­di­co Clau­dio Lo­pes Al­va­za­ni, 30 anos, no pré­dio que ad­mi­nis­tra, na Mo­o­ca (zo­na les­te)

A ro­ta­ti­vi­da­de de por­tei­ros é pre­ju­di­ci­al pa­ra a se­gu­ran­ça de um pré­dio. Man­ter o fun­ci­o­ná­rio mo­ti­va­do e em­pe­nha­do faz com que o dia a dia de um con­do­mí­nio flua de for­ma efi­caz e sau­dá­vel.

A im­por­tân­cia em se man­ter o mes­mo por­tei­ro no con­do­mí­nio, pa­ra o ad­vo­ga­do Mar­cus Cres­pi, é a con­fi­an­ça que os mo­ra­do­res de­po­si­tam nes­se fun­ci­o­ná­rio. “Ele fi­ca ha­bi­tu­a­do às nor­mas in­ter­nas. Com is­so, faz me­lhor o con­tro­le de aces­so, o que traz mais se­gu­ran­ça.”

A ins­ta­bi­li­da­de no qua­dro de co­la­bo­ra­do­res fez com que o au­di­tor e sín­di­co Clau­dio Lo­pes Al­va­za­ni, 30 anos, aju­das­se a im­plan­tar, em mar­ço, mu­dan­ças pa­ra re­ver­ter a si­tu­a­ção do con­do­mí­nio em que vi­ve, na Mo­o­ca (zo­na les­te de São Pau­lo).

“Tí­nha­mos pro­ble­mas cons­tan­tes de ro­ta­ti­vi­da­de. Is­so le­va à vul­ne­ra­bi­li­da­de.”

Al­va­za­ni diz que o con­do­mí­nio im­plan­tou sis­te­ma de lei­tu­ra fa­ci­al aos mo­ra­do­res, o que já aju­da o por­tei­ro.

“Tam­bém des­ti­na­mos a eles uma sa­la de des­can­so on­de po­dem co­mer, usar a in­ter­net e re­la­xar. For­ne­ce­mos trei­na­men­tos de re­ci­cla­gem e tu­do is­so tem sur­ti­do efei­to mui­to po­si­ti­vo. Ago­ra, os por­tei­ros de­se­jam per­ma­ne­cer no em­pre­go”, afir­ma. “São peças fun­da­men­tais”.

Pa­ra o ad­vo­ga­do Ro­dri­go Kar­pat, da Kar­pat Ad­vo­ga­dos, du­as ver­ten­tes le­vam à ro­ta­ti­vi­da­de dos por­tei­ros. “Má ges­tão da mão de obra e fal­ta de es­tí­mu­los. Im­pre­vis­tos acon­te­cem, mas é pre­ci­so que o con­do­mí­nio sai­ba va­lo­ri­zar aque­le que li­da com a cor­res­pon­dên­cia e a se­gu­ran­ça de um pré­dio. Eles são os guardiões da por­ta de en­tra­da à ca­sa des­sas pes­so­as”.