guias_online
convencao_coletiva
icone_home_saude
agendamento_homologacao
lazer
sind_banner_site_contribuicao_sindical-v2

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL:

Considerando as alterações introduzidas pela lei 13.467/2017 referente a Contribuição Sindical, conforme redação dos
artigos 545, 578, 582, 583, 587 e 602 da CLT; temos a esclarecer o seguinte:

O pagamento da contribuição sindical pelos integrantes da respectiva categoria profissional (independentemente de sua
filiação a entidade sindical) continua obrigatório, tendo em vista a natureza tributária, com respaldo do artigo 149 da
Constituição Federal.

A única mudança foi na forma de cobrança, onde o artigo 582 traz a obrigação do recolhimento da Contribuição Sindical
dos empregados que autorizarem “prévia e expressamente” o seu recolhimento ao respectivo sindicato.

Entretanto, na referida legislação não consta que a autorização prévia e expressa deva ser apresentada por escrito.

Por outro lado, o “caput” do artigo 513 e alínea “e”; que não foram revogados pela citada lei 13.467/2017 dispõe que
“é prerrogativa dos sindicatos, impor contribuições a todos aqueles que participam das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas”.

A ANAMATRA – Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, em sua Segunda Jornada da
Reforma Trabalhista, realizada em meados de outubro de 2017, aprovou o Enunciado nº 38, abaixo transcrito:

38 – CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

I – É lícita a autorização coletiva prévia e expressa para o desconto das contribuições sindical e assistencial,
mediante assembleia geral, nos termos do estatuto, se obtida mediante convocação de toda a categoria
representada especificamente para esse fim, independentemente de associação e sindicalização.

II – A decisão da assembleia geral será obrigatória para toda a categoria, no caso das convenções coletivas, ou
para todos os empregados das empresas signatárias do acordo coletivo de trabalho.

III – O poder de controle do empregador sobre o desconto da contribuição sindical é incompatível com o caput
do art.da constituição federal e com o art. 1º da convenção 98 da OIT, por violar os princípios da liberdade e
da autonomia sindical e da coibição aos atos antissindicais.

Assim, a “autorização prévia e expressa” citada no artigo 582 Consolidado pode ser realizada em assembleia geral
previamente convocada, desde cumpridas as formalidades legais. Tendo em vista que a assembleia é soberana em suas
resoluções, os recolhimentos, uma vez aprovados na referida assembleia, serão possíveis e lícitos, abrangendo toda a
categoria profissional.

CONTRIBUIÇÕES – CLÁUSULA 58 DA ATUAL CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

Quanto às contribuições previstas na cláusula 58 da atual convenção coletiva de trabalho (contribuição dos
empregados), devidamente aprovada em assembleia; em que pese o disposto no Artigo 611-B, inciso XXVI da CLT;
REITERAMOS que os termos contidos na atual Norma Coletiva devem prevalecer e serem respeitados; por estarem em
consonância com o referido enunciado 38 da Anamatra e com o que o Ministério Público do Trabalho havia determinado,
inclusive referente ao prazo de oposição, que foi devidamente cumprido, com a apresentação de oposição por vários
integrantes da categoria.

São Paulo, 21 de fevereiro de 2018.
DEPTO JURIDICO/SINDIFICIOS-SP

QUEM SOMOS

O Sindicato dos Trabalhadores em Edifícios e Condomínios de São Paulo – SINDIFÍCIOS – representa zeladores, porteiros, vigias, faxineiros, garagistas, folguistas, manobristas, ascensoristas e demais funcionários da categoria há quase 60 anos. Ao todo são 300 mil trabalhadores representados na cidade.

Sua sede, localizada na Rua Sete de Abril, 34 – Centro – São Paulo, concentra a maior parte dos serviços que oferece ao trabalhador: advogados, médicos, dentistas, laboratório, cursos e outros. Também possui uma subsede em Santo Amaro e uma Colônia de Férias em Caraguatatuba, litoral norte, local de lazer e descanso do trabalhador.

O presidente do SINDIFÍCIOS, Paulo Ferrari, ao lado de sua diretoria atuante, batalha diariamente por novas conquistas e pelas garantias dos direitos da categoria. Defender o grupo de males como a terceirização de mão de obra, cooperativas e maus patrões, faz parte dos princípios deste que é o maior Sindicato da categoria na América Latina.

layout_palavra_v14

PRÓXIMOS CURSOS:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS